domingo, 10 de março de 2013

Como acontece o processo de escolha de um papa

A escolha do pontífice é feita sob segredo 

Os 115 cardeais eleitores, provenientes de 51 países, se fecharão na Capela Sistina para eleger em segredo o novo pontífice, que deverá obter 77 votos.

A terça-feira começará com a grande missa "Pro eligendo Romano Pontifice" na basílica de São Pedro. Durante a tarde, os cardeais eleitores desfilarão da Capela Paulina à Capela Sistina cantando e orando para que o Espírito Santo os ilumine.

Já na Capela Sistina, sob os magníficos afrescos de Michelangelo e depois de terem jurado manter silêncio sob pena de excomunhão, o mestre de cerimônias pronunciará o "Extra omnes!" ("Fora todos"), ordenando que aqueles que não tiverem ligação com a eleição saiam da sala.

Os "príncipes da Igreja" não poderão se comunicar com o exterior, sem telefone ou computadores, e também não poderão enviar mensagens eletrônicas ou alimentar suas contas nas redes sociais.

Fumaça branca indica que o papa foi escohido
O último ato do conclave é a pergunta que três cardeais fazem ao eleito: "Aceita sua eleição como Sumo Pontífice?". Após a resposta afirmativa, segue outra pergunta, "Quo nomine vis vocari?" ("Como quer ser chamado?").

Depois de ser parabenizado pelos cardeais, o sucessor do Papa alemão, que poderá escolher livremente seu nome, se dirigirá a uma pequena sala contígua onde o esperam três hábitos papais (de tamanhos pequeno, médio e grande) para se vestir. Costuma ser chamada de "Sala das Lágrimas", já que parece que todos os eleitos, sem exceção, choram ali em relativa intimidade diante da magnitude da responsabilidade que acabam de assumir.

Em seguida, o novo Papa vai à sacada da basílica de São Pedro depois que o protodiácono pronunciar o famoso "Habemus papam!" e é apresentado à multidão reunida na praça de São Pedro e ao mundo através das câmeras de televisão de diversos países que seguem ao vivo o evento.

Nenhum comentário:

Postar um comentário