quarta-feira, 15 de maio de 2013

Ex-prefeito de cidade do interior poderá perder direitos políticos

Hilário Marques

O Ministério Público Federal no Ceará (MPF-CE) e o Ministério Público Estadual (MP-CE) moveram uma ação conjunta de improbidade administrativa contra o deputado federal e ex-prefeito de Quixadá, Ilário Marques (PT). A iniciativa foi realizada após irregularidades durante a gestão do parlamentar.  No total, o possível desvio soma o valor de R$ 330 mil, que seriam destinados à criação de tilápias no município. 

O seu sucessor, Rômulo Nepomuceno (PT), e ex-secretários municipais também estão inclusos na ação. A investigação concluiu que o projeto não foi realizado, mesmo com o valor disponibilizado.

O objetivo do projeto era implantar no município dez unidades de criação de tilápias nos açudes da região, além da capacitação de cerca de 100 trabalhadores de pescado de Quixadá.

De acordo com o MPF, o valor começou a ser transferido no ano de 2005, durante a gestão de Ilário Marques, através do convênio entre a Prefeitura de Quixadá e a Secretaria Especial de Pesca e Agricultura (Seap).

O MP afirma que o projeto não foi realizado, após sete anos. Os recursos iniciais foram repassados aos fornecedores e o restante para administração de Rômulo Nepomuceno.

Os réus poderão ter seus direitos políticos negados e seus bens tornados indisponíveis pela Justiça Federal, caso seja julgado procedente o pedido do procurador da República do município de Limoeiro do Norte, Luiz Carlos Oliveira Júnior, e do promotor de Justiça André Clark Nunes Cavalcante.

Nenhum comentário:

Postar um comentário