sábado, 31 de agosto de 2013

Governo do Estado planeja construir prédio de R$ 44 milhões anexo ao Palácio da Abolição

O Governo do Ceará planeja construir prédio anexo ao Palácio da Abolição, sede do Poder Executivo estadual. Avaliada em R$ 44 milhões, a obra se encontra em fase de licitação e tem previsão de entrega para dezembro de 2014 – último mês de mandato de Cid Gomes (PSB). Com seis andares, o novo edifício será erguido em frente à sede do Governo, no local onde funcionava a antiga vice-governadoria do Estado. A ideia é abarcar diversos órgãos estaduais que hoje não possuem sede própria. 

“É um investimento para as próximas gestões, porque muitas secretarias e coordenadorias não possuem prédio próprio, tendo que pagar aluguel. É custo que vai deixar de existir”, diz Quintino Vieira, superintendente do Departamento de Arquitetura e Engenharia do Estado (DAE), responsável pela obra.

Entre os órgãos que devem ser beneficiados pela nova estrutura, Quintino cita o Conselho Estadual de Desenvolvimento Econômico (Cede) e a Assessoria Especial de Políticas Públicas sobre Drogas. O Cede funciona atualmente no antigo prédio da vice-governadoria, que será demolido para dar lugar ao novo edifício. “Será ambiente mais moderno, com espaço otimizado”, diz assessoria do Cede.

Segundo Quintino Vieira, o DAE atualmente analisa listas de preços ofertadas por empresas que participam da licitação. “São de dois mil a três mil itens, então demanda certo tempo. Mas o resultado deve sair entre cinco e dez dias, e as obras devem ser concluídas em até dezembro de 2014”.

A obra – que prevê compra desde pisos de mármore antiderrapante por R$ 659,8 mil até aquisição de 250 caixas para alto-falantes – tem valor similar ao do anexo da Assembleia Legislativa, inaugurado em 2012.

Na manhã de ontem, o deputado Heitor Férrer criticou a construção do anexo, pois observou que a obra não é prioritária. “Tenho impressão de que o governador brinca com o povo do Ceará”, diz. Ele diz que irá ingressar com ação popular contra a obra. Fonte: O Povo

Nenhum comentário:

Postar um comentário