domingo, 30 de março de 2014

Eunício Oliveira: sonho tornado realidade para as oposições

A conversa do governador Cid Gomes (PROS) com o senador Eunício Oliveira, na última sexta-feira, foi fria, rápida, porém respeitosa, mas extremamente esclarecedora quanto ao fato de que este não terá o apoio daquele na sua pretensão de ser candidato ao Governo do Ceará. Ambos estavam preparados para o momento. Sabiam o que diriam e escutariam um do outro, sempre com a preocupação de evitar ser esse ou aquele acusado de ter dado margem ao rompimento de uma aliança cuja duração já ultrapassou quatro eleições.

Embora não tenha surpreendido a qualquer dos observadores mais atentos aos acontecimentos políticos do Estado, o desfecho do encontro da última sexta-feira libertou esses dois políticos cearenses da angústia que a ambos dominava. Um, o governador, querendo adiar ao máximo uma definição dentro do grupo por ele liderado.

O outro, utilizando-se de todos os espaços a ele conferidos pelo mandato e a condição de principal liderança do seu partido, o PMDB, ter de buscar consolidar uma candidatura com as restrições naturais a quem faz parte de uma aliança.

Oposição

A Eunício, a partir da próxima semana, passado o prazo da desincompatibilização, na sexta-feira vindoura, quando o governador terá renunciado ou não ao mandato, já deverá começar a montar sua coligação com partidos hoje no campo das oposições, principalmente o PSDB e o PR, visto estar aparentemente bem consolidada a coligação da qual o PMDB fazia parte.

O senador peemedebista, se antes era uma esperança dos adversários do Governo para encabeçar a chapa concorrente, hoje é realidade, posto não ter outro caminho a seguir, por razões várias, senão a de manter a candidatura anunciada, há algum tempo, em todo o Estado.

Cid conhece, assim, o primeiro adversário do seu candidato ao Executivo estadual. Esse fato não o fará, por certo, antecipar o cronograma por ele próprio traçado para apresentar o ungido, mas, não há dúvida que a partir de agora vai disponibilizar mais tempo à sua sucessão.

Eunício, pela determinação já demonstrada, com os meios disponíveis para um enfrentamento, incluindo-se no rol o tempo para a propaganda eleitoral, no rádio e televisão, será um candidato competitivo, também por ser atraente para muitos dos descontentes com o Governo, até então carentes de um nome com expressividade. Os encontros que promoveu ao longo ano passado e mais recentemente, a título de reorganização do partido no Interior, garantiu ao senador uma ampla visibilidade e alimentou esperanças de uma candidatura própria do PMDB ao Governo. Fonte: Edson Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário