domingo, 26 de abril de 2015

Manifestação em Iguatu cobra ações do governo do estado nas áreas da educação, saúde e geração de empregos




Implantação da Faculdade de Medicina, Campus da UFC, inauguração da Cidade Universitária, construção do Centro de Formação de Educadores, Distrito Industrial. Essas foram algumas das reivindicações cobradas durante uma manifestação ocorrida na cidade de Iguatu, na manhã desta sexta-feira (24). O ato foi organizado pelo Gabinete do deputado estadual Agenor Neto (PMDB).

O evento contou com a participação de milhares de estudantes, moradores, lideranças políticas e comunitárias, além da presença do deputado estadual Agenor Neto, do prefeito de Iguatu, Aderilo Alcântara, do prefeito de Várzea Alegre, Vanderlei Freire e outras autoridades. A concentração do evento aconteceu na Praça da Matriz, e em seguida a caminhada percorreu várias do centro da cidade, finalizando na Praça da Criança.

Logo após término da caminhada, o deputado Agenor Neto e o prefeito Aderilo Alcântara concederam entrevista coletiva no auditório da Câmara de Dirigentes Lojistas de Iguatu (CDL). “Queremos os nossos direitos. Nos últimos anos a nossa região sofreu discriminação por parte do governo do estado. Hoje vivemos uma grave crise no Hospital Regional de Iguatu por conta desses desmandos ocorridos ao longo desse tempo. Para Sobral, todo dia sai médicos de avião para atender no hospital regional de lá, enquanto Iguatu padece com a falta desses profissionais”, disse Agenor Neto.

O parlamentar também lembrou da luta dos últimos anos pelo fortalecimento do ensino superior na região. “Há mais de uma década que lutamos pela ampliação do ensino superior porque entendemos que isso vai trazer desenvolvimento para a região Centro Sul”. Ele lamentou os atrasos na construção da Cidade Universitária, cujas obras já se arrastam por mais de cinco anos. “É uma vergonha. O governo do estado nunca priorizou a nossa região. Os nossos estudantes já estão cansados de tanta espera”, disse.

O prefeito Aderilo Alcântara lamentou a situação crítica em que se encontra o funcionamento do Hospital Regional de Iguatu. “Já nos reunimos com o secretário de Saúde do Estado, nos reunimos com entidades de classes e fomos ao Ministério Público. Em todas essas ocasiões mostramos que o município não tem mais condições de bancar com recursos próprios mais de 50% do custeio do hospital de Iguatu. “Tivemos uma audiência no Ministério Público, em Fortaleza, e a própria promotora da Defesa da Saúde Pública, Isabel Porto, achou um absurdo que Iguatu banque, com recursos próprios, o atendimento de pacientes de outras regiões no hospital regional”, disse.

Aderilo Alcântara também ressaltou que a sua gestão tem se preocupado com a questão da geração de emprego e renda para a região, através da implantação de um distrito industrial. “Um dos maiores entraves para a concretização do nosso distrito industrial é a aquisição do terreno, que tem um custo muito elevado. Em uma reunião que tivemos com o governador Camilo Santana, há um mês, que inclusive estava presente o deputado Agenor Neto, fizemos uma proposta ao governador. A Prefeitura de Iguatu entraria com 50% do valor do terreno e o Estado com a outra metade. E o governador, simplesmente, nos pediu um tempo para analisar a proposta”, explicou.

Nenhum comentário:

Postar um comentário