domingo, 31 de maio de 2015

Lava Jato apura elo de petistas com negócio do pré-sal


A força-tarefa da Operação Lava Jato investiga se os pagamentos das empreiteiras WTorre e Engevix por consultorias dos ex-ministros Antonio Palocci e José Dirceu, entre 2007 e 2012, podem ter servido para ocultar propina do esquema de cartel e corrupção na Petrobras em contratos do pré-sal.

Os investigadores da Lava Jato têm elementos para acreditar que houve desvios de recursos da Petrobras na construção do Estaleiro Rio Grande (RS), iniciada em 2006, e nos contratos fechados para produção de cascos de plataformas e sondas de exploração de petróleo no local, a partir de 2010.

A WTorre foi quem construiu o Estaleiro Rio Grande, a partir de 2006. Em 2010, vendeu seus direitos no negócio para a Engevix. Nos períodos em que foram contratadas pela Petrobras, as empresas tinham como consultores Palocci e Dirceu.

A suspeita do Ministério Público Federal e da Polícia Federal é de que os dois ex-ministros possam ter sido elos do PT no esquema de corrupção envolvendo o negócio. O ex-tesoureiro petista João Vaccari Neto já foi apontado por delatores como operador da propina em parte desses contratos.

A empresa de Palocci, a Projeto Consultoria, foi contratada pela WTorre entre 2007 e 2010. O ex-ministro informou ter prestado quatro palestras aos diretores da empresa em 2007 e duas em 2010 cada uma por R$ 20 mil.

A WTorre afirmou que os serviços foram palestras sem relação com a Petrobrás. Apresentou 18 notas fiscais, que totalizaram R$ 350 mil, emitidas pela Projeto, em 2007, 2008, 2009 e 2010.

A partir de 2010, o negócio envolve a Engevix – empresa denunciada por corrupção na estatal em contratos de refinarias. A aquisição do estaleiro fez parte de um contrato de US$ 3,4 bilhões. Em 2011, o grupo fechou outro negócio no Estaleiro Rio Grande: a construção de três navios-sondas para a Sete Brasil, empresa criada pela Petrobrás em parceria com fundos de pensão e bancos para explorar o pré-sal.

Quebra de sigilo fiscal obtida pela Lava Jato mostrou que entre 2008 e 2012 a JD Assessoria e Consultoria, de Dirceu, recebeu R$ 2,6 milhões da Engevix, uma parte paga pela empresa e outra por meio da Jamp Engenheiros Associados, do lobista Milton Pascowitch.

O ex-ministro e a empresa negam que os pagamentos tenham sido referentes ao negócio com a Petrobras. Fonte: Jornal O Estado de S. Paulo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário