segunda-feira, 27 de julho de 2015

Eduardo Cunha diz que PT está abaixo do ‘volume morto’

Eduardo Cunha
Durante almoço com empresários de São Paulo nesta segunda-feira, 27, o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), centrou suas críticas ao governo Dilma Rousseff e ao PT e disse que o partido, para a sociedade, está “abaixo do volume morto”.

Cunha ainda fez uma referência à declaração feita pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva em junho em um reunião fechada e revelada pelo O GLOBO. “Se a frase do ex-presidente Lula é de que o PT está no volume morto, acho que para a sociedade ele já baixou do volume morto. O que precisamos fazer é ver para o futuro. E o futuro passa por esse debate todo que estamos fazendo, que a gente possa construir soluções que esteja em consonância com a sociedade. E não fazer do congresso e do governo apenas uma pauta ideológica, corporativa e partidária”, afirmou o presidente, que foi aplaudido.

Cunha também disse que a impopularidade do PT “consegue ser maior que a impopularidade de Dilma Rousseff“. “Talvez, o PT tenha até arrastado a impopularidade dela mais para baixo do que poderia ser”.

O presidente da Câmara também afirmou que seu rompimento político com o governo foi “reação a uma covardia” e voltou a afirmar que seu posicionamento é pessoal.

“Eu não costumo reagir colocando a cabeça debaixo do buraco. A história não reserva espaço para os covardes. Eles não vão impedir o meu livre exercício da liderança parlamentar. Fui vítima de uma violência com as digitais definidas. Não podia me acovardar e não reagir”, disse Cunha, em referência a sua investigação na Operação Lava-Jato, por suspeita de envolvimento no esquema de corrupção da Petrobras.

Questionado pelo presidente do grupo Lide, João Dória, sobre a quem pertenciam essas digitais, respondeu: “Basicamente, foi uma interferência do Poder Executivo, que todo mundo sabe que não me engole”.

Nenhum comentário:

Postar um comentário