sábado, 10 de outubro de 2015

Evidências de contas no exterior fecham o cerco sobre Eduardo Cunha

Eduardo Cunha
A sustentação de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) na presidência da Câmara dos Deputados tornou-se ainda mais insustentável nesta semana, após novos dados do ministério público da Suíça comprovarem a movimentação do equivalente, em dólar e em franco suíço, a R$ 23,2 milhões. Aliado a isso, o lobista João Augusto Rezende Henriques contou, em depoimento, do repasse de US$ 1,3 milhão para contas do deputado na Suíça.

O detalhamento dos dados complicou ainda mais a imagem do parlamentar. O relatório enviado pelo MP estrangeiro, que investiga o político brasileiro por corrupção e lavagem de dinheiro, indicam que Cunha usou as contas para pagar secretas despesas pessoais da mulher, a jornalista Cláudia Cruz, e de uma das filhas, Danielle Cunha, na Inglaterra, na Espanha, nos Estados Unidos, entre outros países.

Todas as contas apontadas não foram declaradas à Receita Federal pelo parlamentar, e indicam a participação dele no esquema de corrupção da Lavo Jato, na Petrobras. O dossiê ainda informa do fechamento de uma das contas de Cunha um mês depois de a operação ser deflagrada pela Polícia Federal, indicando uma tentativa de camuflar a origem do dinheiro.

o dossiê suíço já se encontra no gabinete do procurador geral da República, Rodrigo Janot, e, a partir de agora, Cunha poderá ser investigado também por sonegação fiscal e evasão de divisas. A relação dos dois, inclusive, não é boa desde agosto, quando o procurador denunciou o deputado ao Supremo Tribunal Federal (STF) por, supostamente, ter recebido US$ 5 milhões em propina para facilitar negócios da Petrobras.

De posse das informações, Janot decidirá se vai pedir a abertura de inquérito ou oferece nova denúncia contra o presidente da Câmara.

Deputado ignora questionamentos

Desde que foi chamado para depor na CPI da Petrobras, o deputado Eduardo Cunha nega qualquer envolvimento no esquema de corrupção da Lava Jato, quando também negou a existência de contas no nome dele no exterior. Agora, depois das provas serem ventiladas à imprensa e o procurador geral da República Rodrigo Janot confirmar a existência das contas do parlamentar na Suíça, Cunha nega-se a falar sobre o assunto. Fonte: DN

Nenhum comentário:

Postar um comentário