domingo, 4 de outubro de 2015

Mais de R$ 7 bilhões em obras para concluir ou acelerar no CE

Obras do Acquario em Fortaleza
À época da escolha do Brasil para sediar a Copa do Mundo, se dizia que o País iria virar um canteiro de obras. De fato, muitos projetos saíram do papel e foram iniciados. O problema é que uma parte deles, mais de um ano após o término do evento, ainda não avançou e outra parte segue em ritmo lento.

Enquanto isso, recursos públicos - que fazem falta nesse momento de crise - são gastos em obras que, a cada dia se tornam mais caras. Mais de R$ 7 bilhões, oriundos de recursos federais e estaduais, já foram executados em obras que não chegaram a servir à população. O valor reúne a execução do orçamento da Transposição do Rio São Francisco, em R$ 6,9 bilhões; da ampliação do Aeroporto Internacional Pinto Martins, em R$ 79 milhões; do Centro de Treinamento Técnico do Ceará (CTTC), em R$ 33 milhões.

O Acquario Ceará - ainda em construção - já consumiu R$ 83,2 milhões, mas também aguarda mais recursos de financiamento para caminhar.

A ampliação do Aeroporto de Fortaleza deveria ter sido terminada a tempo de receber o contingente extra de turistas que viriam para a cidade acompanhar os jogos na Arena Castelão. Foi preciso investir R$ 1,79 milhão em uma estrutura temporária, o "puxadinho", para que se tivesse capacidade de receber os visitantes do evento. Hoje, as obras da ampliação seguem paradas dependendo do processo de concessões a ser implementado pelo governo federal.

Outra obra que ainda depende de intervenções para sua plena utilização é o Terminal de passageiros do Porto do Mucuripe. A obra em si foi concluída em janeiro deste ano, mas ficou faltando a dragagem do quarto berço do porto, necessária para que navios de grande calado possam atracar naquele espaço. Não há sequer previsão para o início da dragagem, nem de orçamento. Por sua vez, orçados em R$ 2,6 bilhões, as obras da Linha Leste do Metrô de Fortaleza (Metrofor) e do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) da Capital não tiveram os valores aplicados até agora revelados pela Secretaria de Infraestrutura do Estado (Seinfra), mas seguem, respectivamente, paralisadas e em ritmo lento. Fonte: DN

Nenhum comentário:

Postar um comentário