sábado, 21 de novembro de 2015

Grupos anti e pró-intervenção militar entram em confronto em Brasília

Manifestantes que defendem a intervenção militar entraram em confronto com um grupo que se aproximou da área ocupada por eles na Esplanada do Ministérios aos gritos de "não vai ter golpe".

A Polícia Militar do Distrito Federal fez um cordão de isolamento para tentar separar os grupos. Os que gritaram contra a intervenção eram cerca de 20 pessoas. Houve discussão e, depois, alguns homens que estavam no acampamento que defendia a volta dos militares arremessaram pedaços de pau.

Ninguém ficou ferido. A polícia usou gás de pimenta para dispersar a confusão, mas os dois grupos trocaram xingamentos por diversas vezes.

"Não estou aqui a favor do governo, vim para falar a favor da democracia. Se o Aécio [Neves, senador do PSDB] tivesse ganho a eleição, eu estaria aqui para defender ele", afirmou Williams Palma.

Até o confronto, por volta das 19h30, a retirada dos manifestantes acampados no gramado do Congresso acontecia com relativa tranquilidade.

MBL

Cerca de 20 jovens ligados ao MBL (Movimento Brasil Livre), que não defende a intervenção mas pede a queda da presidente Dilma Rousseff, permaneceram sentados dentro das barracas que instalaram em frente ao Congresso.

Eles cantaram o hino nacional e pediram a saída de Dilma e dos presidentes do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), e da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ).

Nenhum comentário:

Postar um comentário